Como usar os Conteúdos Curriculares com jogos

1503_famgames_h

Os conteúdos estão em todas as partes, temos apenas que vinculá-los aos jogos

Associar as matérias do currículo escolar com os interesses dos alunos, como já foi visto antes, é a melhor maneira de nos conectarmos com eles.

Também é muito importante reconhecer que os conteúdos curriculares se encontram em todas as partes: na rua, no bairro, na Internet, passeando pelo campo, em um supermercado e, claro, nos jogos de mesa.

Este guia pretende fornecer recursos úteis ao professorado que sabe o quanto é importante incorporar os jogos de mesa às suas aulas e promover um aprendizado significativo, mas também de quem se vai exigir uma justificativa para tal incorporação, uma relação entre a atividade-jogo e os conteúdos da grade, na matéria que esta sendo ministrada.

Primeiramente, vale a pena refletir sobre quão significativos se tornam os conteúdos quando são trabalhados a partir da experiência e da personalização e, mais ainda, a partir de uma experiência tão enriquecedora quanto jogar.

Muitas vezes ouvimos dos alunos a seguinte pergunta: “Por que tenho que aprender isso, se não serve para nada?”.

Na maioria das vezes, os alunos não veem utilidade no que estudam para suas vidas reais. Os conteúdos curriculares não possuem nenhum significado para eles, estão desconectados de sua realidade. De nosso ponto de vista, o alunado trabalharia os conteúdos curriculares a partir da experiência de ter jogado estes jogos de mesa.

Vimos anteriormente que as crianças ao jogar socializam, se divertem e aprendem uns com os outros e o mero fato de jogar se converte em uma experiência transformadora para eles. Se formos capazes de retirar os conteúdos curriculares desta experiência lúdica e os transferirmos para uma atividade mais analítica, podemos fazer com que encontrem um sentido para as matérias que estudam.

Desta maneira, aprendem a se aprofundar nas atividades que realizam e conseguem compreender melhor as aulas e seus conteúdos, ao mesmo tempo que estimulam sua capacidade de aprender a aprender, porque podem identificar e administrar as partes que são relevantes dos recursos que utilizarão em futuras ocasiões.

O manual de instruções

Inicialmente, o próprio manual de instruções se converte no catalisador de diversos processos cognitivos.

Na sala de aula, o usual é trabalhar a compreensão leitora com a leitura de textos e as perguntas correspondentes sobre ele.

No jogo, para começar a jogar, é preciso ler o manual de instruções que combina os gêneros textuais: narrativo, instrutivo, injuntivo e prescritivo, sendo que este texto instrui o aluno, de forma precisa, a jogar.

O texto apresenta certa complexidade e requer uma leitura atenta, pois eles têm que ler e compreender para poder aplicar as regras e iniciar o jogo.

Esta leitura interpretativa permitirá ao aluno realizar a ação, experimentar, analisar e comprovar se o que leu corresponde ao que está fazendo; desta maneira, se produz um feedback imediato que permite a correção de forma autônoma.

Além de ser um instrumento para realizar uma boa compreensão leitora, o manual de instruções também pode nos ajudar a trabalhar diferentes aspectos ou níveis linguísticos, seja qual for o conteúdo curricular que nos interesse: desde os semânticos aos gramaticais (morfologia ou reconhecimento de diferentes tipos de palavras, sintaxe etc.).

Deste modo, comprovamos para os alunos quão importante é a compreensão textual, pois, se não entendem, não jogam.

Esta forma de aproveitar os materiais do jogo pode ser aplicada a qualquer matéria da grade curricular.

Assim, além de abordar os conteúdos da língua portuguesa, como já vimos antes, podemos trabalhar também conteúdos que vão desde matemática até ciências naturais e sociais, passando inclusive por educação artística e língua estrangeira.

A única coisa que falta ao professorado para usar o jogo, suas peças e seus manuais, de forma a estabelecer uma conexão com os elementos curriculares, é que o professorado queira ver esta conexão e proporcioná-la a seus alunos.

O jogo de mesa como vínculo para trabalhar em projetos

O jogo de mesa pode ser uma das possibilidades para trabalhar a interdisciplinaridade entre diferentes matérias do currículo escolar. Desta forma, conseguiremos aprofundar o trabalho docente utilizando um recurso comum que repercutirá na conexão e aplicação do projeto de aula.

Neste sentido, as fichas didáticas se transformam em um instrumento muito útil para ajudar os professores a relacionar conteúdos.

A chave para sua confecção é relacionar os conteúdos que queremos que os alunos aprendam e posteriormente formular perguntas adaptadas às capacidades e aptidões segundo a idade destes alunos.

É conveniente lembrar que estas fichas podem nos servir inclusive como atividade de síntese, ou como tarefa de investigação.

Vamos expor um breve exemplo de como trabalhar em aula com Sushi Go! (leia nossa análise completa sobre ele aqui) de como se pode estabelecer a interdisciplinaridade com qualquer outro jogo.

Sushi Go

Como elaborar uma atividade fazendo a relação com a grade curricular.

LÍNGUA PORTUGUESA

  • O que devem fazer os jogadores antes de iniciar uma partida?
  • Identificar três substantivos dentro do texto.
  • Identificar três verbos dentro do texto.
  • Em duplas, leiam o manual em voz alta.
  • Escreva uma discussão que tiveram durante a partida.

MATEMÁTICA

  • Com quantas cartas se joga uma partida de 4 jogadores?
  • Com quantas cartas se joga uma partida de 2 jogadores?
  • Quantos jogadores é preciso ter, para jogar com o maior número de cartas?
  • Escolha uma carta da qual existe um número ímpar de cartas.
  • Escolha uma carta da qual existe um número par de cartas.
  • Se eu tiver todas as cartas de Nigiri de Calamar e todas de wasabi, quantas cartas
  • terei?
  • Se um grupo de crianças decide jogar sem utilizar as cartas de wasabi, com quantas cartas elas jogariam?

CIÊNCIAS

  • Um dos ingredientes do sushi é o arroz. Aponte no mapa do Brasil um lugar onde se cultiva arroz.
  • Onde crescem as algas que são utilizadas para enrolar o sushi?
  • O sushi é originário de qual país? Marque no mapa.
  • A lula é um animal vertebrado ou invertebrado?
  • A qual grupo de vertebrados pertencem os salmões?
  • Os peixes nascem de ovos ou da barriga de suas mães?
  • O wasabi é um produto animal ou vegetal?
  • De qual parte da planta se prepara o wasabi?

Gostou do conteúdo? Continue acompanhando nossa série e visite os artigos anteriores, não esqueça de curtir nossa página receber notificações sobre novos conteúdos 🙂

Acompanhe nossos canais nas redes sociais:

Facebook

Pinterest

Instagram

BLOG

Ludopedia

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s